Pular para o conteúdo principal

(FF XV) Capítulo 5: Voltas e mais voltas

Com essa chamada nada inspiradora aguardo o início desse novo capítulo!
Por Brunoliveira

AVISO! É sempre bom avisar que o texto contém spoilers leves sobre a história

Alguns dias se passam desde a nossa fuga do disco, algumas explicações da história acontecem. EU QUERO O MEU CARRO DE VOLTA!!!! É a única coisa que consigo me preocupar no momento. Pelo jeito terei de ficar à pé por enquanto, ainda bem que tenho meu chocobo por enquanto. Umbra aparece trazendo uma mensagem de Luna, respondo e, em seguida, a (estranha) Gentiana aparece. Pelo que entendi ela é um espírito que só Noctis e Luna podem ver e se comunicar, lol. Ela lança alguns agouros sobre o futuro do Rei e do Oráculo e de quebra me deixa a minha próxima tarefa: tenho que encontrar as quatro pedras de Ramuh e tocar nelas, essas pedras estão espalhadas por Duscae e a primeira já aparece marcada no meu mapa, mas decido fazer algumas sidequests e Hunts antes de continuar com a viagem.

Abro o mapa e o que descubro? Tá tudo bloqueado de novo! Não posso ir em Hammerhead, não posso ir em Lestallum, não posso ir em Galdin, nada, NADA!!! Oh céus, já estou odiando esse capítulo, já gosto de dar uma reclamada e a Squenix ainda faz isso comigo? T.T

A Rocha de Ravatogh, gigante! Pena que não posso fazer nada aqui ainda!
Vou olhando no menu as quests que tenho habilitadas e a maioria está em lugares que não posso acessar agora, faço o que dá, aceito mais quests de Sania e Dave, faço algumas hunts nos postos avançados, mas não tem como correr por muito tempo: preciso voltar à missão principal, até porque acho um saco ficar andando nesse mapa gigantesco de Chocobo, por mais que ame os bichinhos, hahah... Sigo para o ponto indicado, uma subidinha meio chata, tenho que ir caçando o caminho entre umas rochas, mas finalmente chego na primeira pedra do Ramuh, toco nela e prontamente a segunda fica habilitada, sigo os mesmos passos nessa segunda e também na terceira e então parto para a quarta, que está dentro de uma dungeon, HERE WE GO!

Não sei explicar, não sei se é a música, não sei se é o fato deles andarem devagar, ou se são os comentários cagões do Prompto (me representa), mas eu sempre fico tenso nas dungeons, hahaha... Vou descendo cautelosamente, até que encontro um boss feio que dói, corpo de cobra, cabeça de mulher, mas uma mulher feia, hahah... A luta também é super tranquila, estava muitos leveis acima do recomendado pra missão, de um lado temos mais uma porta selada que deve ser para o pós game e do outro entro numa câmara onde encontro a terceira pedra e consigo a marca que me permite invocar o Ramuh.

Na saída da caverna recebo uma ligação de Cindy, avisando que localizou o Regalia, mas que ele está em uma base do império e que ela não consegue retirá-lo de lá, teremos que fazer isso do nosso jeito então, partiu invasão.

Hora de invadir uma base!
Essa é uma das missões mais legais que já fiz no jogo até agora, o clima em que o jogo te coloca, tenso ali para invadir a base, até mesmo o stealth que temos que usar para passar despercebidos é um show à parte, no meio da dungeon avistamos a nossa criança, aparentemente intocado, mas o Ignis sugere que aproveitemos a ocasião para destruir uma torre que funciona como um gerador para o império, seguimos para o ponto indicado e me deparo com uma horda de inimigos, parto pro ataque e no meio da luta SURPRESA, aparece a opção para invocar o trovãozudo, rsrs... Acredito que essa invocação faça parte da história e todo mundo consiga fazer. O raio do julgamento brilha no céu e consome todos os inimigos, coisa linda de ver, não podemos negar que a Squenix sabe como fazer uma cena linda, rsrs...

Ravus, tão arrogante! Completamente diferente da irmã!
Temos um encontro tenso com o Ravus quando estamos deixando a base, fico pensando de onde vem a força dele, bateu de frente com o Gladio e ganhou sem aparentemente fazer esforço, medo! Ardyn aparece e alivia as tensões e, com isso, conseguimos sair com a nossa criança de volta nas estradas (Yaaaaayyyyy).

Foto que tirei para o Vyv no topo do vulcão! Lugar impressionante!
Tudo liberado de novo, hora de dar cabo dessas quests antes de seguir com a história.Tem muuuuuuuuuuuiiiita sidequest pra fazer, muuuuuuuita hunt, Deus do céu! Um modo que encontrei para otimizar a realização das quests era adiantar o máximo possível de uma vez em cada lugar, já que tenho pouquíssimo tempo pra jogar na semana, via no menu quais estavam mais perto, ia para o lugar e resolvia tudo o que tinha para fazer ali depois voltava e entregava tudo de uma vez, foi muito útil principalmente no vulcão, ou Rocha de Ravatogh, acumulei tudo o que tinha para fazer lá de uma vez e só tive que subir essa vez para dar conta de tudo, e galera, vou contar pra vocês, a subida me deixou cansado, mesmo sentado no sofá, rsrs.... 

Coisa linda esse Catobeplas
Fiz uma caçada abençoada que tinha que destruir um monte de coeurl (5 se não me engano), oh troço difícil, acho que esses bichos dão trabalho mesmo para quem está no nível 99, chatos de mais, muitas magias e itens de cura para dar cabo dessa hunt. Faço algumas missões para Sania, algumas para Dave, muitas para Vyv, todas as possíveis com os vendedores em Lestallum, todas as do Takka, que me renderam uma luta TOP contra o Catobeplas (delícia de hunt contra aquele bicho imenso e forte) e libera uma receita nova em Hammerhead, caço algumas coisas sempre que paro em um posto avançado, tive que fugir de uma caçada em que o inimigo eram três necromancers que petrificam toda hora (tenho que me equipar melhor, deixa mais pra frente), consigo mais duas armas reais opcionais (O Escudo do Justo e a Maça do Feroz), finalizo uma dungeon que tem uns lagos tóxicos: as cavernas de Daurell (tem um ponto de pesca mas nada de arma real), consigo a minha lâmina suprema, ainda faltam dois itens para acabar as armas do Prompto (alguém sabe onde tem jóia do céu???), ando tanto de chocobo que consigo deixar os bichinhos no nível máximo já, faço algumas expedições com os bros nos acampamentos, invoco o Ramuh várias vezes (bicho ousado), luto, luto, luto, farmei um pouco de PA seguindo a dica do André com o Escudo do justo, deixo as habilidades de cozinha, fotografia e sobrevivência entre níveis 8 e 9 e quando esgoto tudo o que é possível fazer (deixa a pesca pra outra hora) e esgoto também a minha paciência, decido seguir a história.

Catobeplas de novo porque sim! Hehe...

O ponto da missão principal está no hotel, em Lestallum. Chego lá e encontro uma Íris abaladíssima com os acontecimentos recentes, o império esteve a nossa procura nesse tempo que estivemos fora, o que resultou em um acontecimento trágico (não vou contar qual é aqui), mas que deixa Noctis, como que eu posso dizer, com sangue nos olhos, temos uma cutscene rápida após isso, onde passam algumas daquelas cenas lindas do trailer Omen e finalmente finalizo esse capítulo!

Vamos desenrolar mais um pouco dessa história!
UFA!!!! Quanta volta nesse capítulo, a parte da história em si é curtíssima, mas como eu não consigo ver as missões opcionais e deixar de lado, acabei fazendo quase tudo, o que já me deixou no nível 60, mesmo eu não usando mais Experimância e dormindo todo dia em acampamento para não ter bonus de XP. Falando assim parece que foi rápido, mas com o meu pouco tempo disponível (ajuda aí Deus) levei quase duas semanas nesse processo, mas enfim, partiu capítulo 6!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(Dragon Quest IX) Críticas, primeiras impressões, detonados e minha breve vida como anjinho.

À primeira vista parece que nada mudou, exceto o enredo e os personagens. O traço característico de Akira Toryama, criador de Dragon Ball, é o mesmo. Ali estão as pequenas e bucólicas aldeias, os monstrinhos algo infantis, como o tradicional slime (a gota de água azul) e o Cruelcumber (pepino cruel. lol). A música, alegre e rítmica, algo pueril, também é a praticamente a mesma. A primeira impressão é de que a Square-Enix não quis arriscar e manteve tudo igual, apenas com algumas melhorias no gráfico, que é mais bem acabado, mas é apenas impressão. Conforme vou jogando as diferenças vão surgindo. O primeiro grande diferencial é no modo multiplayer que foi introduzido. Ainda não joguei porque não tenho o adaptador para conectar o DS à internet, mas está lá, à minha disposição. Este modo online foi responsável por um recorde mundial em 20/05/10, com mais de 100.000.000 de encontros no modo aleatório, em que se pode "esbarrar" em uma pessoa desconhecida que está andando próx

Jogando Final Fantasy XIII

Estou com um problema sério de inspiração e não consigo escrever nada no momento. Para ajudar, esta semana foi lançado um jogo que estava esperando à quase dois anos: Final Fantasy XIII. É um RPG para xbox360. Uma estória como as que escrevo, cheia de fantasia, de beleza, de encantamento. Estou no comando de um grupo de jovens idealistas que luta para libertar seu planeta de um governo tirano. rsrs O bem precisa derrotar o mal, não é? E está em minhas mãos. lol É para lá que vou por uns tempos. Peço desculpas pela pausa na estória, agradeço a visita e a compreensão. Abraços!

(FF XV) Capítulo 14 - 2 milhões de xp e 133 mil gil com o esquema dos Wyverns

Passei dois dias inteiros sem jogar. Mas valeu a pena, foi um Natal muito gostoso, como espero tenha sido o de todos vocês. Antes de ir, não resisti e fiz uma dungeon completa, a do Estreito de Crestholm. Não tem arma real lá. Eu queria fazer porque lá estava a quest da Cindy, O sempre ilustre Regália e também a quarta parte do mapa do Tesouro em papel. Também lá tem um Amuleto do Moogle, que concede + 20% de xp para quem o tiver equipado. Eu já tinha um. Acho que peguei nas Minas Balouve quando fui lá dar uma olhadela e saí correndo para não morrer. rs Bom, o Estreito de Crestholm é um labirinto com mobs lvl 39 e um monte de níveis. Você tem que acionar 7 mecanismos para abrir a porta final. Eu tentei seguir o esquema abaixo, do guia oficial, mas acabei me perdendo um monte de vezes e no fim deu tudo certo. lol Tem dois bosses. Uma espécie de medusa e um tipo de dragão. A medusa não dá quase trabalho e o dragão eu gostei da luta. Ela tem um efeito especial muito bon

Artista cria tênis de God of War digno do Deus da Guerra

Jacob Patterson é um artista que trabalha na LA Shoe Design Workshop criando tênis personalizados. Dessa vez o destaque foi a sua mais recente obra: um par inspirado em  God of War . Foi o pedido mais trabalhoso de sua carreira, mas o resultado não é menos que espetacular. Quando Stig Asmussen, diretor de God of War 3 ficou sabendo dos tênis, ele quis vê-los pessoalmente e Jacob ganhou uma visita aos estúdios da Sony Santa Monica. Ele publicou um vídeo onde entrevista o diretor do terceiro jogo e mostra todo o procedimento de criação passo a passo. Além da pintura à mão de todo o calçado, com uma grande imagem de Kratos no calcanhar e uma quantidade imensa de detalhes na frente, Jacob ainda se deu ao trabalho de criar esculturas da Blade of Chaos e prendê-las com correntes no lugar do cadarço. O toque final no trabalho foi dado com o autógrafo de Stig Asmussen. O artista comentou que no meio do processo chegou a odiar a sua obra por estar tomando tanto tempo, mas que o resul

FFXIII - Definindo as armas da equipe KILLER

Olha a cara da Lightning: cansada de esperar que defina sua arma. lol Estive segurando a decisão sobre as armas dos personagens até agora, assim como sei de algumas outras pessoas fazendo o mesmo. É complicado porque uma arma tem isto, mas em compensação é fraca naquilo e por aí vai. Não tem uma que se possa dizer realmente boa ou a definitivamente melhor para determinado personagem, exceto talvez aquelas que serão vendidas no Shop Gilgamesh que só abre a partir da conclusão da Missão 46. E nem adianta ir direto lá tentar a sorte, porque ela só desbloqueia depois que fizer a 42, que só desbloqueia... enfim. A questão de dinheiro já está relativamente resolvida e agora é decidir entre as opções disponíveis ou por armas coletadas ao longo do jogo ou que possam ser adquiridas nos shops Up the Arms ou Plautu´s. Penso que a única forma de resolver esta complicação é elegendo um diferencial e seguir por ele e no caso das armas só pode ser a propriedade especial da arma, porque potencia