segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

DmC: Devil May Cry muda a cara da franquia sem perder a qualidade

DmC: Devil May Cry marca uma reformulação na franquia que nasceu no PS2. Entregue aos estúdios Ninja Theory – responsáveis por Heavenly Sword – o jogo chega de cara nova, agradando em muitos elementos e decepcionando em alguns outros.

DmC: Devil May Cry - Um novo Dante


A trama de DmC: Devil May Cry traz um Dante mais jovem e com uma generosidade fora do comum. Diante de um mundo onde os humanos são enganados por demônios, cabe ao anti-herói iniciar uma jornada para defendê-los da manipulação demoníaca.
Por mais que pareça surreal, o enredo convence e se desenrola de uma maneira admirável. Há muito mais diálogos do que em qualquer outro game da franquia, o mesmo vale para a quantidade de personagem, sejam eles aiados ou inimigos de Dante.
E sobre o protagonista, a aparência pode ter mudado, mas ele ainda continua com o tradicional sarcarsmo. Não só nos diálogos, mas também em atitudes, Dante prova que se algo ainda prevalece na série, é a sua personalidade.

Muitas armas, Inúmeras habilidades e uma esquiva que funciona

As grandes mudanças no game começam pela jogabilidade. Dante nunca teve uma variedade tão grande de armas e movimentos. Espadas, foices e até luvas são exemplos do que o herói pode manipular durante toda a aventura. E a forma com que elas são aplicadas aos comandos agrada ainda mais. Dessa vez, nada de abrir o menu e selecionar uma arma, uma combinação de botões é o suficiente para executar um comando, o que gera uma variedade de combos incrível.

A evolução das armas é outro ponto positivo do game. Essa mecânica se mantém quase intacta em todos os capítulos da franquia e permanece agradando em DmC. A variedade de habilidades também chama a atenção. A extensa lista de movimentos deixa o jogador indeciso sobre o que evoluir primeiro. Ainda bem que o game permite retirar pontos utilizados e recolocá-los em outras habilidades.

A movimentação de Dante também está mais ágil. A esquiva, que sempre prejudicou mais do que ajudou, está mais eficiente do que nunca e acaba sendo a melhor forma de sobreviver no jogo. E ainda sobre movimentos, em muitos momentos o game vira uma espécie de Prince of Persia, no qual é preciso sincronizar saltos entre plataformas.

Visual encantador

O trabalho visual aplicado em DmC: Devil May Cry é de tirar o chapéu. Ao contrário do clima gótico dos três primeiros jogos da franquia, o novo título conta com uma combinação de cores que deixam o jogo mais agradável e que contribuem ainda mais – positivamente ou não – para mudar a cara da franquia. Mesmo assim, ainda é possível notar uma falta de capricho com os detalhes. Muitos cenários parecem repetitivos e elementos externos não são tão bem trabalhados.

Infelizmente, o visual mais robusto acarretou em um declínio na movimentação do jogo. Se durante toda sua história os games da série rodaram a 60 frames por segundo, dessa vez é preciso suportar apenas 30. Se por um lado a beleza pode encantar, esse declínio decepciona os fãs mais antigos e afeta bastante a jogabilidade.

O visual de Dante, que tanto foi alvo de críticas, até combina com o estilo mais jovem do personagem. Os inimigos, apesar de repetitivos, também mostram suas formas bizarras de uma maneira que contribui para o clima do jogo e os chefes continuam sendo uma atração à parte graças as suas formas gigantescas e medonhas.



Conclusão

DmC: Devil May Cry assusta no início, mas após algumas horas já é possível sorrir novamente. Mesmo que o game não rode mais a 60 frames por segundo e conte com inimigos e cenários repetitivos, as melhorias no combate e o belo visual superam estes pequenos problemas.



Fonte

0 comentários:

Posts relacionados: